D. Maria

1939 – 2021

Nossos ciclos de existência biológica são inexoráveis e, por vezes, impossíveis de entendimento à luz da razão, pior ainda da emoção.

Uma vida pode ser infinita, levando em conta as variáveis limitadoras, desde condição social até o entendimento de quais são nossos limites físicos e psicológicos. Mas o tempo que nos é oferecido sobra para fazermos muito.

Para quem nasceu em 1939, viveu a Era do Rádio, das notícias ilustradas pelas bem postadas vozes de alta dramaticidade de narradores que estavam escrevendo a história da comunicação, gerou expectativa que o mundo seguia na evolução tecnológica que garantiria uma vida melhor. TV era para os abastados, não raro era obrigatória a parada em frente à vitrine para se deslumbrar com uma imagem padrão em preto e branco.

Ouvia músicas sob chiados estridentes da transmissão e dos discos de 45 RPM, selecionados cuidadosamente por locutores especializados em encantar os ouvintes, que ligavam os sonhos acordados, enquanto trabalhava duro para ter a comida na mesa, entremeados por propagandas de produtos inúteis e fúteis, mas transformados em necessidades primárias.

Revistas especializadas em ídolos da rádio, radionovelas, estrelas de cinema, vendiam a única possibilidade de contato unidirecional aos mitos criados com a conhecida estratégia de marketing de produto gestada no modelo do “new deal” estadunidense. Verdadeiras peças de colecionador, conservadas em caixas guardadas como se tesouro fossem. Uma delas foi parar nas mãos da Vanderleia, que abriu, durante o show em Florianópolis, a foto da página central para mostrar à plateia a relíquia de décadas.

Ao condensar toda a propaganda do rádio, cinema e revistas, o formato estava pronto, o produto vendido e a fã criada.

Na década do roubo da democracia, do fim dos direitos e da repressão, o mundo maravilhoso dos “artistas” vendia também a imagem de total normalidade, os festivais de música, as novelas que não abordavam o cenário político, a aparente tranquilidade de um mundo em ebulição.

Em paralelo, o trabalho na Maternidade Carmela Dutra, onde teve contato com todo o tipo de pessoa, no corpo técnico, como no setor em que aprendeu o ofício na cozinha e serviços gerais (na época chamavam de faxineira). Revelou que tinha verdadeira admiração por médicos que lembrava pelo nome completo, mesmo décadas após as histórias que ilustravam esses personagens que são os colegas de trabalho.

Muitas histórias de um lugar onde passou toda a vida profissional, que a faziam parar e manter o olhar distante (creio que fazendo uma varredura de cada pessoa que participou dos eventos, mas isto ficava só na lembrança dela, uma espécie de compartimento secreto que gerava suspiro). Após a aposentadoria (também suponho que não seja algo exclusivo), lamentou que pessoas de convívio diário não a procuraram, tinha grande mágoa por isso, ainda assim não nutria ódio, mas tristeza pura, simples.

Com economias que guardava em casa, não sabia muito bem como funcionava esse negócio de conta bancária, bem como um empréstimo de uma freira (a quem sempre foi muito grata) comprou um terreno onde a rua nem chegava, mas tinha uma bela vista, com o companheiro construiu uma casa de madeira e cercou o terreno. Pagou a dívida com muito orgulho e satisfação.

Criou os dois filhos, a quem ensinou que nada seria fácil, mas que o teto e a comida não lhes faltaria. Quando ganhava duas balas que fossem no trabalho, trazia para casa para dar ao filho e a filha.

Havia uma regra básica: tudo era dividido. Me pergunto se por caráter ou necessidade. Apostaria em ambos.

Escola pública para os filhos, com orgulho extremo a cada etapa acadêmica cumprida.

Seguiu-se uma vida simples, sem os luxos da vizinhança de bem nascidos que aglutinou-se em área residencial nobre. Era a casa mais modesta da rua, que evoluiu para uma construção de alvenaria, sempre pelas mãos dela e do companheiro que tornou-se pedreiro após aposentadoria precoce e forçada pela perícia médica.

Com grande obstinação comprou a primeira TV em cores, principalmente para assistir aos programas da Tupi e novelas (um verdadeiro vício). Mas, em meio às mansões adjacentes, quis o destino que um amigo do alheio invadisse a casa e lhe tomasse a TV. Na delegacia do bairro, alguns dias após ter sentido a tristeza da insegurança, encontrou a TV que lhe custou muito, entregou a nota fiscal para comprovar a propriedade, mas lhe negaram o direito ao bem, pois “não constava na nota fiscal, o número de série da TV” que ela teve certeza que lhe pertencia. Foi roubada pela segunda vez. Inconformada, comprou outra, menor, mais modesta, mas não aceitaria que fosse tolhido direito de assistir às novelas. TV aberta, imagem ruim, som horrível, antena interna, mas não perderia um capítulo que fosse.

Folheando as revistas da década de sessenta, já com as cores comprometidas, olhava para cada foto como se conversasse com ela mesma: um dia vou ver o show deste(a) artista!

Esta determinação a permitiu assistir espetáculos em casas de show da Grande Florianópolis por décadas. Coitado de quem a tentasse conter por conta da idade avançada. Com eventos iniciando por volta de meia-noite, estava na frente do local umas quatro horas antes para garantir o “melhor lugar” próximo do palco. Em shows gratuitos, que reuniam multidões, espremida, levava a amiga Celina, que dava a cobertura física necessária para evitar quedas. Este período após os sessenta anos de idade se seguiu até antes da pandemia. Já tinha ingresso comprado para eventos que iriam ocorrer em 2020, mas se frustrou muito ao perceber que a pandemia não daria folga.

Tornou-se uma verdadeira especialista em shows populares. Levava LP, CD e DVD do artista, conseguia acesso ao camarim, autógrafo, batia papo, fotos e ainda se tornava um símbolo da persistência, pois era uma fã sexagenária de bandas e artistas que tinham apelo entre adolescentes e adultos. Passou a ser colocada no palco em alguns shows, tornou-se “amiga” dos seguranças das casas de espetáculo, ganhava sempre um cantinho protegido próximo do palco, ainda que tivesse comprado ingresso para a turma que fica “lá atrás”. Acostumada a dar “bom dia para poste”, tinha o hábito de conversar com qualquer pessoa, não raro isso lhe trouxe a fama de “velhinha simpática”. Bastava que alguém a levasse e fosse buscar, a “encomenda” estava feita, não perdia um show.

Por outro lado, vinda de uma situação econômica restrita, não negava um prato de comida, uma sacola com frutas e verduras ou aqueles dois reais que estavam no fundo da carteira. Durante anos nutriu amizade pelo pessoal que gritava na frente da casa: D. Maria!

Foi avalista de praticamente todos os familiares, até os que tinham situação financeira melhor, mas não o entendimento sobre o que era o endividamento. Comprava tudo à vista. Se tivesse que parcelar, no máximo em cinco vezes. Assim foi conseguindo se manter e adquirir os bens modestos que a faziam se sentir “rica” em relação aos primeiros anos de vida.

Mesmo com as diferenças sociais claras, criou uma relação quase familiar com os primeiros vizinhos.

Tinha o hábito de não parar em casa, descia e subia o morro muitas vezes por dia após a aposentadoria, vendendo produtos da Natura, levava na casa dos “clientes” caminhando pelo bairro. Era comum ir de ônibus com esta finalidade para os que (mesmo tendo carro) moravam mais distantes. Fazia questão de entregar. Ganhou algumas homenagens e prêmios por desempenho, principalmente por uma campanha que não lhe dava lucro, mas tinha a promessa da verba revertida para instituições de “caridade” por conta da empresa. Aposentou-se do ofício após uma cirurgia no fêmur que lhe trouxe um pouco de qualidade e vida, passando a ficar mais em casa. Mas isto não significou que ficaria sentada em frente à TV, pois acordava muito cedo, olhava para o céu e agradecia pelo tempo bom para lavar as roupas, pegar as acerolas, carambola, figo e uvas. Depois ia “cuidar dos bichos”, que eram gatos e cachorros abandonados em frente da casa e que ela adotava com a maior facilidade (Lassie, Vanuza, Chimbica, Mimosa, Pretinha, Macaco, Pituxa, Pitoca, Totó e Menino moraram ali). O horário da novela era sagrado. Depois os programas da Inezita Barroso e da Hebe. Domingo era Gugu e Sílvio Santos.

Adorava viajar, nem que fosse para ir ali em Antônio Carlos.

De tudo que poderia ser atribuído à ela, o mais importante era a capacidade de semear amor.

O artistas eram “lindos”, gritando “te amo” na beira do palco.

Os filhos eram os mais importantes, os biológicos e os adotados (filhos do companheiro). Alguns a tratavam como a mãe verdadeira. Os sobrinhos e netos sabiam que em muitos natais teriam presentes que ela comprava na “cidade” e depois fazia o filho levá-la para cada casa dos parentes.

Ajudou todos que a procuraram, difícil para ela era dizer não. Sofria muito se não conseguisse ajudar, mas dava sempre um jeito de aliviar o problema. Fazia isso com rara discrição, mas necessária para preservar a imagem de quem estava enrascado.

Com um jeito muito simples, queria que todos estivessem bem.

Com problemas auditivos, raramente ouvia o toque do telefone fixo (celular nem pensar), mas agradecia todos os dias conseguir ouvir os sabiás, bem-te-vis, canarinhos e ficava muito tempo olhando onde faziam ninhos, bem como adorava deixar o pote com a banana para agradá-los. Pagava em bananas o “cantar” dos passarinhos livres que habitavam o terreno que ela preparou para eles. Chorava sempre que uma rolinha dava mole para a nossa gata, a Menina, pois não achava justo se tinha a ração.

Fez da existência biológica um eterno semear, ao fim da vida percebemos o quanto foi admirada e, principalmente, amada, não por ser famosa ou rica, mas por ser humana, despojada de bens materiais e feliz com o que tinha conquistado. Satisfeita com o caminho trilhado e sonhando em chegar aos cem.

Agora ela existe nos filhos e netos, o que fez de verdade e muito bem será o legado que esses receberam, não bens materiais, mas as lições de nunca negar água e pão para quem a procurava.

Vou sentir falta demais das vezes em que dava um gemido gentil por alguma comida que nem sempre ficava boa, mas ela comia com gosto e fazia questão de elogiar, do “café de shopping” que ela me pedia com os olhos para fazer na cafeteira expressa, com leite vaporizado que comia de colher.

Me sinto privilegiado pela segunda oportunidade de ter uma mãe por perto, no sentido mais amplo possível.

Que vida sofrida, magnífica e significativa teve a simples Dona Maria.

Pandêmico

Por que você deve ler O Homem Bicentenário? | Momentum Saga
Cena do filme O Homem Bicentenário de Chris Columbus

Com tanto tempo para pensar em casa, uma obrigação desses dias que começaram com uma ameaça de contágio massivo, não restrito ao município, mas de proporções que jamais vi e imaginei vivenciar, natural que a apreensão suba de nível diariamente, alimentando o medo que nos acompanha por toda vida.

Vemos que o grau de imaginação de um autor de ficção de talento pode nos convencer do universo criativo perfeitamente descrito, chegando a ter linguagem muito própria.

Quando a realidade nos revela personagens que a ficção rejeitaria pela impossibilidade de convencer o interlocutor das ideias e do farto estoque de mentiras, somos espancados mentalmente com frequência absurda, pois enquanto nos recuperamos de um pronunciamento, aparecem dez novos, recheados do que mais baixo a humanidade pode apresentar. Desde palavras mal escolhidas, infelizes ataques, gestos grotescos e completa irresponsabilidade ao fazer declarações que seriam estúpidas o suficiente se ficassem restritas a um pensamento, são repetidas como carimbos nos maiores portais de informação digital.

Poderíamos nos socorrer dos ícones do jornalismo mundial, mas a maioria morreu ou aceitou o jogo dos barões, o que é a mesma coisa. Especialistas de feira ocupam espaços com muito tempo nos principais veículos de comunicação, pois são convenientes para manter o torpor necessário ao cenário suavizado das subnotificações de mortes por COVID-19, versão moderna e atualizada da conhecida SARS de 1937.

Sabedores das formas de contaminação em massa de outras pandemias, autoridades, cientistas e profissionais de saúde pública nos orientam dos riscos e tentam minimizá-los com ações como o isolamento social. No entanto, os fundamentalistas religiosos pregam a desobediência às recomendações de segurança e sugerem manutenção de aglomerações em cultos, manifestações de apoio ao ditador e até organização de carreatas em protesto contra o que a Organização Mundial de Saúde estabelece como mínimo para evitar mortes em grande número tal qual ocorre na Itália, Espanha e muitos países do dito “mundo desenvolvido”. Todos, sem exceção, perceberam que o primeiro passo para proteção é o isolamento social.

Alguns usam o termo “azar” para termos um presidente da República desconectado da realidade, mas lembre que foi o voto (outros dizem que foi de protesto) o responsável por dar poder a uma figura explicitamente ignorante e agressiva. Fomos passivos, pois muitos anularam, abriram mão no segundo turno do voto que poderia ter barrado esta aberração. Não há purgatório, os que anularam merecem o fogo do inferno, ainda que se digam arrependidos.

Ficamos reféns de governadores e prefeitos, por (aí sim) sorte, alguns prefeitos perceberam que estariam prestes a ter de abrir valas comuns e enterrar muitos munícipes desnecessariamente e com alto custo eleitoral, se houver eleições este ano. O prefeito de Florianópolis agiu bem ao manter o decreto do isolamento social, contrariando uma semana de indecisão do governador, mas na semana seguinte enviou à Câmara de Vereadores uma solicitação de empréstimo para aquisição de ASFALTO, em plena crise pandêmica. Nenhum centavo, em regime de urgência, para equipamento de proteção individual para profissionais da saúde ou qualquer tipo de procedimento para mitigar os danos da COVID-19. Foi na base do “cada um com suas prioridades”.

Na ficção de Isaac Asimov, O Homem Bicentenário, nos emocionamos com um personagem fascinante de um robô muito evoluído que deseja avidamente duas características humanas: deixar de ser tratado como um objeto e poder morrer.

Na realidade imposta pela COVID-19, brasileiros estão com medo de morrer e sendo tratados como objetos.

(Fonte da imagem: ThinkStock)

Estado que mata

Resultado de imagem para ágatha felix

Desde que a cúpula dos governos federal e estadual passaram às mãos de militares e simpatizantes de milicianos, programas sociais foram desmontados e o estado passou a alimentar o culto ao ódio e violência aos que tachou de inimigos, os pobres.
Governos sem projeto, sem visão da necessidade do estado prover educação, saúde e segurança respeitando a Constituição Federal, que remove garantias da população e atribui direitos aos agentes de segurança como se fossem jagunços sob ordens dos coronéis da política, capitães do mato.
Aquele cidadão abatido por armamento utilizado em cenários de guerra, por agentes do estado, acaba por ser, além de vítima, quem trabalhou para gerar os recursos, com os impostos arrecadados na fonte, direcionados para a aquisição de dispositivos, letais ou não, em quantidades cada vez maiores, fazendo com que a necessidade de utilização seja uma forma de enriquecer a indústria bélica.
Estão assassinando crianças com tiros de helicópteros, cuja aquisição e manutenção advém dos impostos, pagos na maior parte por trabalhadores de baixa renda. Tiros contra comunidades, contra residências, contra escolas.
Os tiros não param, a cúpula da polícia alega que são necessários e que não haverá recuo.
Um governador, ex-juiz, ordena o massacre, com precisão calculada, com intenção de matar, exterminar e tirar a paz de comunidades antes controladas por traficantes e, com esta desculpa, toma o lugar deles na figura do miliciano, administrador dos recursos que “podem” circular sob o olhar mafioso de quem cobra para quem estabelecimento comercial ou um morador não “se incomode” com roubos.
O custo de “condomínio” de uma favela acaba sendo equiparável ao dos condomínios do “asfalto”, com a diferença que é pago com vidas.
Vidas importam, ainda que invisíveis pelos que pensam que são livres e ricos.
Não, a mídia não se importa, é só mais uma manchete, amanhã será outro dia.

2019 será lembrado pela violência, não dos clássicos “bandidos”, mas pelo número de vítimas do estado.

%d blogueiros gostam disto: